Pombos

POMBOS

  Alimentam-se preferencialmente de grãos e sementes, mas podem reaproveitar restos de alimentos ou até mesmo lixo. Além disso, a alimentação fornecida pelas pessoas em locais como praças, parques, residências por exemplo, acarreta um aumento considerável dessa população. Essas aves abrigam-se e constroem seus ninhos em locais altos como prédios, torres de igreja, forros de casas e beirais de janelas.

Agravos à saúde:

  • Algumas doenças como criptococose, histoplasmose e ornitose são transmitidas através da inalação de poeira contendo fezes secas de pombos contaminadas por fungo.

    Medidas preventivas no hospital:

  • Não alimentar os pombos para que eles tenham sua função na natureza e sua população permaneça controlada, pois a oferta ou escassez de alimentos influencia a reprodução e, portanto, aumento da população. Se há escassez, a população de pombos se mantém em equilíbrio;

  • Recolher sobras de alimentos de animais domésticos, aves de gaiola para não atrair os pombos;

  • O hábito de fornecer alimentos para pombos, ocasiona o desiquilíbrio populacional com proliferação excessiva dessas aves, desencadeando problemas para o meio ambiente e afetando a qualidade de vida das pessoas;

  • As aves, na natureza, tem uma função muito importante de controlar os insetos e replantar as sementes das plantas que comem. Ao receber alimento, as aves deixam de buscar na natureza alimentos adequados à sua dieta alimentar, como frutas e grãos;

  • A oferta ou escassez de alimentos influência a reprodução e, portanto, aumento da população. Se há escassez, a população de pombos se mantém em equilíbrio;

  • Limpeza da área onde possua resíduos orgânicos dos pombos.

    Referência:

    ROCHA-E-SILVA, Roberta Cristina da et al. O pombo (Columba livia) como agente carreador de Salmonella spp. e as implicações em saúde pública. Arquivos do Instituto Biológico. São Paulo, p. 189-194. jun. 2014. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/aib/v81n2/1808-1657-aib-81-02-00189.pdf>. Acesso em 26 de janeiro de 2018.