Omeprazol e demência: um estudo atual, uma relação preocupante

 

omeprazolO uso de inibidores da bomba de prótons (omeprazol, por exemplo) e de antagonistas do receptor H2 da histamina (cimetidina, por exemplo) pode levar à deficiência de vitamina B12 no organismo, o que em alguns casos pode desencadear demência.

Os inibidores da bomba de prótons (IBP) e os antagonistas do receptor H2 da histamina (H2RA) suprimem a produção de ácido gástrico e por isso podem levar à má absorção de vitamina B12. No entanto, existem poucos dados a respeito das associações entre a exposição em longo prazo a estes medicamentos e a deficiência de vitamina B12 em grandes estudos populacionais.

Com o objetivo de estudar esta associação entre o uso de IBP e de H2RAs e a deficiência de vitamina B12, em um cenário baseado na comunidade, nos Estados Unidos, foi realizado um estudo divulgado pelo The Journal of the American Medical Association (JAMA).

Pesquisadores da Division of Research do Kaiser Permanente, Oakland Medical Center, avaliaram a associação entre a deficiência de vitamina B12 e o uso prévio de medicação de supressão de ácido gástrico utilizando um estudo de caso-controle na população do Kaiser Permanente na região norte da Califórnia. Foram comparados 25.956 pacientes com diagnóstico de deficiência de vitamina B12 incidente, entre janeiro de 1997 e junho de 2011, com 184.199 pacientes sem deficiência de vitamina B12. As exposições e os resultados foram apurados por via eletrônica em bancos de dados de farmácias, laboratórios e centros de diagnósticos.

O risco de deficiência de vitamina B12 foi estimado pelo odds ratio (OR) de regressão logística condicional.

Entre os pacientes com diagnóstico incidente de deficiência de vitamina B12, 3.120 (12,0%) receberam PPIs por dois anos ou mais, 1.087 (4,2%) receberam H2RAs por dois anos ou mais (sem qualquer uso de PPI) e 21.749 (83,8%) não tinham recebido prescrição para qualquer PPIs ou H2RAs. Entre os pacientes sem deficiência de vitamina B12, 13.210 (7,2%) receberam PPIs por dois anos ou mais, 5.897 (3,2%) receberam H2RAspor dois anos ou mais (sem qualquer uso PPI) e 165.092 (89,6%) não tinham recebido prescrição para qualquer PPIs ou H2RAs. Tanto o uso de PPIs (OR 1,65 [IC 95% 1,58-1,73]) por dois anos ou mais quanto o uso de H2RAs (OR 1,25 [IC 95% 1,17-1,34]) foram associados a um risco aumentado de deficiência de vitamina B12. Doses maiores do que um comprimido e meio ao dia foram mais fortemente associadas à deficiência de vitamina B12 (OR 1,95 [IC 95% 1,77-2,15]) do que as doses inferiores a três quartos do comprimido ao dia (OR 1,63 [IC 95% 1,48-1,78]; P=0,007 para a interação).

As conclusões mostram que o uso anterior ou atual de inibidores de ácido gástrico foi significativamente associado à presença de deficiência de vitamina B12. Estes resultados devem ser considerados entre os riscos e os benefícios do uso dessas medicações no momento das prescrições médicas.

A vitamina B12 é importante para a formação e maturação das hemácias e é necessária para o desenvolvimento e manutenção das funções do sistema nervoso. Sua principal fonte são os alimentos de origem animal. No entanto, para absorvê-la, o corpo depende de fatores intrínsecos presentes em um tipo especial de células que ficam no estômago (células parietais) e de receptores localizados no íleo. Em casos de deficiência de vitamina B12, pode haver anemia, acompanhada ou não por dificuldades de locomoção, formigamentos nas mãos, pés e pernas, palidez, fraqueza muscular, infertilidade, demência, dentre outros sintomas.

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), volume 310, número 22, de 11 de dezembro de 2014